Torrando a farinha. Foto: Marcia Riederer

Relato e imagens da farinhada em Florianópolis

Torrando a farinha. Foto: Marcia RiedererMovidos pela vontade de recuperar hábitos, costumes e alimentos que estão se perdendo no caminho de nossa globalização, em um sábado ensolarado nos juntamos no Engenho dos Andrade, para a farinhada – 1º Encontro do Convivium Slow Food Engenho de Farinha (Florianópolis/Brasil). Durante a semana foram necessários muitos preparativos, ver quem tinha a mandioca, busca-la, organizar as compras para o jantar, quem busca as mesas na igreja, ver como seria a participação de cada um, organizar o transporte para que os produtores de outros municípios pudessem participar dessa grande festa, enfim… nada que um grupo unido e animado não resolvesse com muita facilidade!

O dia amanheceu lindo… no engenho, a montanha de mandioca já estava sendo "raspada", para tirar a casca. A junta de bois estava a postos pra colocar o engenho pra trabalhar.

Na cozinha o fogão a lenha já estava perfumando, chefe Ofir e seu amigo Ney estavam a todo vapor, cortando, temperando, amansando, cozinhando, fervendo… preparando um cozido pro almoço e um jantar maravilhoso.

Chegou a hora de cangar o boi Vermelhinho, colocar o antrolhos, ele estava apressado em começar seu serviço.

Enquanto o engenho gira, a mandioca se transforma em farinha.

Durante a tarde, a farinha é colocada na prensa pra tirar a água da farinha. Aqui no sul chamamos assim, mas o chef Ofir recolhe essa água, no norte chamada de tucupi e utiliza como base de sua culinária.

Então chega a hora de peneirar, e os visitantes dos engenhos dos municípios visinhos começam a chegar. Todos muito felizes, curiosos pra ver o Engenho dos Andrade, alguns dos nossos visitantes já deixaram de trabalhar com a força animal no engenho, e aproveita o momento pra matar a saudade. Reparam em tudo, encontram peças muito antigas e algumas novas, mas feitas a moda antiga!

Relembram músicas, histórias e experimentam o "tal do tucupi", todos muito desconfiados, pois essa água da mandioca, se não for bem preparada é um veneno,

Tocam fogo na lenha e o engenho começa a rodar novamente, agora para torrar a farinha, enquanto as mesas vão sendo arrumadas, o chef Ofir dá os últimos retoques na cozinha.

Após algumas apresentações, esclarecimentos e agradecimentos, tivemos o enorme prazer de jantar.

Estava tudo delicioso, o ambiente, os amigos reunidos, as conversas e a comida… espero que não demore para chegar a próxima!


Abaixo algumas imagens do 1º Encontro do Convivium Engenho de Farinha

 Raspando a Mandioca. Foto: Marcia Riederer
Raspando a Mandioca

Cangando o Boi. Foto: Marcia Riederer
Cangando o Boi

Rodando o engenho. Foto: Marcia Riederer
Engenho em funcionamento

Novas gerações. Foto: Marcia Riederer
Novas gerações

Intercâmbio de Saberes. Foto: Marcia Riederer
Troca de experiências

Peneirando. Foto: Marcia Riederer
Peinerando a farinha

Torrando a Farinha. Foto: Marcia Riederer
Torrando a farinha

Experimentando novidades. Foto: Marcia Riederer
Experimentando novos sabores

Jantar preparado pelo Chef Ofir. Foto: Marcia Riederer
Jantar preparado pelo Chef Ofir com a Farinha e o Tucupi
produzidos durante o dia.

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Comida, Comunidade e Regeneração

Date 18 julho, 2022
Regeneração é o tema do Terra Madre – Salone del Gusto 2022, que tem como objetivo ressaltar o protagonismo da agricultura familiar...

Slow Food Indica

Date 16 julho, 2022
Visibilidade e acesso a mercados mais competitivos para alimentos bons, limpos e justos Mais um passo está sendo dado para qualificar a...

Intercâmbio de culturas alimentares

Date 14 julho, 2022
Jovens do povo Tremembé da Barra do Mundaú viajaram do litoral oeste do Ceará até a terra indígena do povo Tabajara do...