Chefes no Varejão

O movimento Slow Food deu início ontem às atividades de comemoração do segundo ano de atuação em Piracicaba.

Cerca de 300 pessoas passaram pela banca do grupo, montada no Varejão Central, no evento denominado Chefes na Feira. Foram preparados no local pratos com taioba, limão, abacate, entre outros ingredientes.

O objetivo do Slow Food é resgatar a cultura dos alimentos, as tradições regionais e o hábito saudável do preparo caseiro dos pratos. O uso de produtos de origem conhecida e produzidos de forma orgânica, inclusive nas residências, segundo Ninfa Barreiros.

A professora de gastronomia da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep), Mariana Maronna, foi uma das chefes que participou do evento. Integrante do Slow Food, ela informou que a maioria das pessoas que foram até a banca perguntou sobre os ingredientes, modo de fazer e também sobre o movimento.

Para Nadir de Melo, 66, saborear no varejão um alimento feito de taioba, planta que ela tem em casa, foi uma surpresa. "Planto a taioba no quintal porque sei que ela é um vegetal que substitui proteína. Também planto berinjela, temperos, jiló, quiabo, pimentão. Só não tenho couve porque dá lagarta", disse.

Essa tradição de Nadir também se mantém com a sobrinha Marta de Mello, 43. Elas fazem questão de manter no quintal uma área de terra onde plantam ervas para chás, como alecrim, melissa, erva de santa maria e pimenta dedo-de-moça. "Tudo que cultivamos, usamos na alimentação".

A professora de francês, Catherine Degoulet, 39, estava na feira alimentando seu filho, Jules Inti, 18 meses, com o Spätzle de Taioba, como uma massa de nhoque. Ele repetiu duas vezes. Ela é integrante do slow food e aprova a possibilidade do resgate das tradições culinárias, ligado a um lugar específico. "O movimento não é só comida. É saber qual a origem dos alimentos contribuir com a tradição do cultivo orgânico. Além de ser saudável, aumenta a opção de alimentos que podemos oferecer para as crianças", afirma.

Na feira ontem, Maria Emília Ercolin, 68, conheceu o preparo do abacate salgado, o Guacamole. Ela revelou que tem diabetes e mantém uma alimentação controlada. "Gostei dos pratos e estou levando as receitas porque são opções a mais".

De acordo com Ninfa Barreiros, integrante do movimento, quatro produtores também participaram do evento. Eles puderam ter contato com os compradores e apresentar seus produtos orgânicos.

RECEITAS

SPÄTZLE DE TAIOBA (NHOQUE)

2 folhas de taioba
1 ovo
190g de farinha de trigo (1,5 xícara)
Água
½ colher de chá de sal
1 pitada de noz moscada
1 pitada de pimenta-do-reino
3 cebolas
200 g de manteiga

Modo de preparo: Lave as folhas de taioba e vá rasgando, tirando pedaços entre a estrutura. Descarte o esqueleto das nervuras principais. Cozinhe as folhas em água fervente salgada por 2 minutos ou até ficar bem macia. Escorra bem. Espere esfriar. Coloque, amassando bem, numa xícara padronizada de 240 ml e complete com um ovo e água. Bata tudo no liquidificador até ficar cremoso. Coloque numa bacia e junte farinha, mexendo sempre até resultar numa massa elástica e não muito mole. Bata bem e passe pelo "ralador de spätzle", ou apóie uma tábua com a massa na borda da panela e vá cortando em tirinhas, deixando cair direto sobre a água. Quando subirem na água, tire com uma escumadeira. Ajeite numa travessa e coloque azeite ou manteiga para não grudar. Sirva com molho ou com cebolas carameladas na manteiga.

DOCE DE LIMÃO

30 limões
1 kg de açúcar mascavo
Cravo e canela em pau

Modo de Preparo: Esfregue os limões no sal até que fique com a coloração do limão. Parta os limões ao meio e cozinhe na pressão cobertos com água por 3 minutos. Retire os limões e com uma colher tire a polpa, deixando somente a casca. Deixe de molho na água fria e ir trocando até que perca o amargo. Leve todos os ingredientes para uma panela e deixe formar a calda, que irá ferver junto com os limões.

Atividades da semana

Os eventos em comemoração ao segundo aniversário do Slow Food continua por toda a semana. Amanhã serão realizados dois eventos. Um para os estudantes do Colégio Atlântico, a partir das 8 horas. A oficina Chefes Mirins, coordenada por Tatiane Santos Thon, vai incentivar os alunos a prepararem um lanche colorido, com verduras e legumes.

À tarde, às 17 horas, acontece a palestra Circuitos Curtos Alimentares, por Gilles Marèchal, coordenador do Centro de Iniciativas de Valorização da Agricultura e do Meio Rural (Cicam) Regional Bretanha e pesquisador associado ao Instituto Nacional de Pesquisa Agronômica da França (Inra). O evento acontecerá na sala 227 do pavilhão da Engenharia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP).

Na terça-feira, às 19h30, o Cine Sesc Especial apresenta o documentário O Mundo Segundo a Monsanto. Com direção de Marie-Monique Robin, é baseado no livro homônimo que revela como a Monsanto conseguiu que os governos autorizassem lavouras e alimentos transgênicos sem fornecer provas científicas, públicas e independentes da sua segurança. Haverá debate após a exibição.

No dia 29, às 14 horas, será realizada a Oficina de Educação para o Gosto, no Espaço Nutriz, avenida Independência, 1297. Será uma aula prático-demonstrativa para crianças, sobre a importância da boa alimentação, qualidade dos alimentos e formas de produção. Nesse dia, acontece o Mix Cultural França-Brasil, das 19h30 às 22h30 no Colégio Atlântico, condomínio Terras de Piracicaba. Com a exposição de fotos França, Cantos e Encantos, show Receita Caseira, e dança Do Can Can ao Zuk! pela Associação das Companhias de Dança de Piracicaba e dos bailarinos do Dançás e ainda a música instrumental da Cooperativa de Músicos.


Texto de Adriana Ferezim – Especial para a Gazeta de Piracicaba

 

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Como a cidade pode e deve apoiar o campo?

Date 17 junho, 2022
Na busca por respostas, um consenso é de que qualquer solução passa pela mudança da forma como consumimos, produzimos e distribuímos alimentos.