Feira da Agricultura Familiar de Minas Gerais

De quinta 2/9 até domingo 5/9/2010, acontece na Serraria Souza Pinto, em Belo Horizonte (MG), a Feira da Agricultura Familiar de Minas Gerais.

A Feira é uma ótima oportunidade de experimentar muitos sabores vindos das várias regiões do estado e encher a sacola (de pano de preferência) com produtos feitos em pequena escala e com todo o carinho e cuidado que os agricultures familiares têm nos seus cultivos e produções. Geléias, cafés, rapaduras, fubás, farinhas de mandioca, biscoitos, doces, cachaças, mel de várias floradas, frutas, hortaliças, legumes, queijos, licores, artesanato, mudas, sementes e muito mais.

É sempre bom comprar direto de quem produz, conversar um pouco, saber mais sobre como o produto é feito, sobre as tradições e modos de vida que estão envolvidos na produção de cada uma daquelas delícias.

Aí vão algumas dicas da Feira:

  • No estande da cidade de São Francisco há castanha de baru e sucos de frutas nativas (umbu e maracujá do cerrado)
  • No estande da cidade de Chapada Gaúcha/Serra das Araras há vários produtos de buriti e geléias de frutas nativas (araticum, cagaita etc)
  • Em vários estandes, há produtos de pequi, como polpa em conserva, castanha, óleo e pasta
  • Há uma barraca vendendo tapioca feita na hora e com várias possibilidades de recheios
  • Há outra vendendo pamonha e mingau de milho
  • Perto delas, outra com uma deliciosa garapa

Se você nunca experimentou alguns desses produtos ou não conhece parte dos nomes citados acima, está na hora de conhecer.

Horários da Feira:
Quinta, dia 02/09 – 16:00 às 22 horas
Sexta, dia 03/09 – 14:00 às 22 horas
Sábado, dia 04/09 – 9:00 às 22 horas
Domingo, dia 05/09 – 9:00 às 20 horas

Para saber mais: www.fetaemg.org.br/agriminas2010 


Marcelo Terça-Nada! é líder do Convivium Slow Food Pique Nique e é diretor de mídias eletrônicas da DoDesign-s

 

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Como a cidade pode e deve apoiar o campo?

Date 17 junho, 2022
Na busca por respostas, um consenso é de que qualquer solução passa pela mudança da forma como consumimos, produzimos e distribuímos alimentos.