Mais três alimentos brasileiros embarcam na Arca do Gosto Slow Food

A Arca do Gosto é um catálogo mundial dos produtos agroalimentares de qualidade que estão em risco de desaparecer realizado pela Fundação Slow Food para a Biodiversidade. Para ser incluído na Arca, o alimento precisa ter qualidades gastronômicas, ligação com a área geográfica local, ser produzido artesanalmente e de forma sustentável e estar em risco de extinção. Através do trabalho de investigação de especialistas internacionais, esta embarcação simbólica recolhe mais de 947 produtos em 58 países (dados atualizados em dezembro de 2010). A Arca do Gosto conta com 24 produtos brasileiros, três dos quais entraram hoje na embarcação.

Eis os três novos integrantes da Arca do Gosto brasileira:

Jatobá

O Jatobá é uma árvore de porte médio que ocorre no Bioma Cerrado, com incidência também em áreas de transição entre o Cerrado e a Caatinga, Amazônia, Pantanal e Mata Atlântica. Os seus frutos são vagens escuras que apresentam uma polpa farinácea amarelo-pálida ou esverdeada, adocicada, muito saborosa e com odor bastante característico. A polpa é aproveitada como alimento, na forma de farinha, podendo ser consumida in natura ou para a elaboração de bolos, pães, biscoitos e mingaus. Veja a descrição completa.

Maracujá da Caatinga

O maracujá da caatinga (Passiflora cincinnata Mast.) é um fruto nativo da Caatinga onde ocorre de forma espontânea. O fruto é extremamente saboroso e perfumado, com um sabor persistente, mais doce, mais denso e mais ácido que o do maracujá comum (P. edulis). Tanto o gosto quanto o perfume recordam o mel. O aproveitamento da fruta representa um potencial para o desenvolvimento sustentável da região Semi-Árida do Brasil. Veja a descrição completa.

Piracuí

Do tupi, pira (peixe) e cuí (farinha), o piracuí é derivado do beneficiamento de peixes. As espécies mais utilizadas são o acari (Lipossarcus pardalis) e o tamuatá (Callichthys callichthys) que caracterizam-se pelo corpo revestido de placas ósseas e por um hábito peculiar: vivem nos fundos dos rios alimentando-se de lodo, vegetais e restos orgânicos. Na época da seca, grande quantidade fica presa no solo úmido não submerso, onde sobrevivem por poucos dias. Veja a descrição completa.

 

>> Conheça também os outros componentes brasileiros da Arca


Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Comida, Comunidade e Regeneração

Date 18 julho, 2022
Regeneração é o tema do Terra Madre – Salone del Gusto 2022, que tem como objetivo ressaltar o protagonismo da agricultura familiar...

Slow Food Indica

Date 16 julho, 2022
Visibilidade e acesso a mercados mais competitivos para alimentos bons, limpos e justos Mais um passo está sendo dado para qualificar a...

Intercâmbio de culturas alimentares

Date 14 julho, 2022
Jovens do povo Tremembé da Barra do Mundaú viajaram do litoral oeste do Ceará até a terra indígena do povo Tabajara do...