Arca do Gosto: 1000 produtos a bordo


O Monte Ararat ergue-se no horizonte, coberto por um manto de nuvens; Ruslan Torosyan, líder do convivium Slow Food Ararat, olha para o monte, sorrindo: "Foi lá em cima que a arca de Noé encalhou depois do dilúvio universal. Está escrito no livro do Gênese e também nas Viagens de Marco Polo. Todo ano, dezenas de expedições saem à procura dos restos da mítica arca". 

Com seus 5.165 metros de altura, o Monte Ararat, em solo turco, domina o panorama da capital da Armênia, Yerevan. O seu perfil aparece também no brasão nacional, onde uma águia e um leão – símbolo das antigas famílias reinantes – seguram um escudo com a Arca em cima do Monte. 

Na Armênia, nas encostas do Monte Ararat, o Slow Food celebra uma conquista importante. Nesta pequena região, com uma história tão importante, o projeto da Arca do Gosto festeja o embarque de seu milésimo passageiro. 

Nascida em 1996, durante o primeiro Salone del Gusto de Turim, a Arca do Gosto é um catálogo internacional que descreve produtos alimentares, raças e variedades que correm o risco de desaparecer, levando consigo as tradições e os saberes aos quais estão indissoluvelmente ligados. 

As indicações foram chegando, pouco a pouco, do mundo inteiro: da Bolívia à Austrália, centenas de pessoas sensíveis ao tema, com interesse na rede associativa, enviaram à Fundação Slow Food para a Biodiversidade formulários para a indicação de produtos. Foi assim aumentando, de ano a ano, a lista de tipos de mel, hortaliças, frios cada vez mais raros, cujo risco de extinção real ou potencial pode prejudicar todo um patrimônio econômico, social e cultural. 

Até hoje, a Arca recolheu passageiros em 60 países diferentes: dos Estados Unidos, com o bisão das grandes planícies americanas, ao Brasil com o maracujá da Caatinga. As indicações são analisadas por uma comissão internacional e aproximadamente vinte comissões nacionais compostas por voluntários ligados, por profissão, aos temas do projeto (jornalistas, botânicos, veterinários, escritores, etc.). Se a indicação tiver os requisitos necessários, a inscrição no catálogo da Arca representa uma primeira forma de promoção e é muitas vezes uma primeira etapa rumo à realização de projetos mais complexos como o projeto das Fortalezas. 

Ruslan, que é agrônomo, mostra sorrindo o passageiro da Arca número mil. "Os primeiros resquícios do damasco na Armênia" – diz abrindo a mão – "datam de 3000 anos e existem dezenas de variedades autóctones". O damasco Shalakh que Ruslan mostra com orgulho é muito grande, macio, doce e saboroso; o fruto pode chegar a pesar até 100 gramas e é usado em muitas preparações tradicionais, como a geleia, que aqui se chama maraba. A variedade Shalakh cresce no vale do Ararat, perto de Yeravan: geralmente cada casa tem algumas árvores em seu jardim para consumo familiar. Mas o mercado internacional está hoje invadido por híbridos mais produtivos e que têm o mesmo nome, mas o verdadeiro damasco Shalakh corre o risco de desaparecer. 

Com a entrada da variedade na Arca, o Slow Food Ararat espera salvar pelo menos uma parte das ricas tradições locais. A preservação da biodiversidade será um dos temas centrais do Terra Madre Armênia, cuja primeira edição será no dia 6 de agosto.

Cerca de sessenta delegados se reunirão na sede da Universidade de Agronomia de Yerevan, onde os temas abordados serão: cadeia produtiva curta, educação do gosto e da Arca do Gosto que, depois de ter recolhido aqui seu milésimo passageiro, sai de novo à procura de novos produtos a serem preservados. 

Saiba mais: 

Arca do Gosto
www.slowfoodfoundation.com

Produtos do Brasil na Arca do Gosto
www.slowfoodbrasil.com/content/category/6/19/69/

Damasco Shalakh
www.slowfoodfoundation.org

Terra Madre Armenia
www.terramadre.org

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Comida, Comunidade e Regeneração

Date 18 julho, 2022
Regeneração é o tema do Terra Madre – Salone del Gusto 2022, que tem como objetivo ressaltar o protagonismo da agricultura familiar...

Slow Food Indica

Date 16 julho, 2022
Visibilidade e acesso a mercados mais competitivos para alimentos bons, limpos e justos Mais um passo está sendo dado para qualificar a...

Intercâmbio de culturas alimentares

Date 14 julho, 2022
Jovens do povo Tremembé da Barra do Mundaú viajaram do litoral oeste do Ceará até a terra indígena do povo Tabajara do...