Seminário discute no Recife a comida como Patrimônio da Humanidade

Evento traz José Iturriaga, participante da elaboração do dossiê aprovado pela Unesco, que declarou a cozinha mexicana patrimônio da humanidade.

A comida e tudo que envolve a gastronomia de um lugar podem dizer muito a respeito de uma sociedade. Como meio de assegurar a integridade dos saberes e das práticas tradicionais ligadas à culinária, a Unesco, em 2010, integrou a comida à lista de Patrimônio Imaterial da Humanidade. Para discutir o processo de patrimonialização, o vice-presidente do Conservatório de Cultura Comida Mexicana, José Iturriaga, participante da elaboração do dossiê aprovado pela Unesco, que declarou a cozinha mexicana patrimônio da humanidade, estará no Senac Pernambuco, no dia 21 de novembro 2011, durante o II Seminário Comida e Patrimônio.

Durante o encontro, José Iturriaga contará a experiência do processo de patrimonialização da comida mexicana. O México foi o primeiro a reivindicar o título de sua culinária tradicional baseada no milho. A campanha abraçada pela ONG Conservatório de Cultura Comida Mexicana teve como foco o local e as tradições da culinária. Em novembro do ano passado, durante reunião realizada em Nairóbi, no Quênia, o comitê formado por 24 países declarou as cozinhas Mexicana, Mediterrânea (Grécia, Itália, Espanha e Marrocos), e Francesa como bens imateriais.

O II Seminário Comida e Patrimônio será realizado a partir das 14h30, no Auditório Roberto Régnier, no Senac Pernambuco.

Após o encontro, haverá o lançamento dos livros Coco, Cultura e Patrimônio e Vocabulário do Açúcar – Histórias, cultura e gastronomia da cana sacarina no Brasil, de autoria do antropólogo Raul Lody e publicados pela Editora Senac SP.

"A ação patrimonial sobre a comunidade, e todos os valores que estão agregados a ela, leva ao entendimento do seu valor não apenas biológico, mas também simbólico", defendeu o antropólogo Raul Lody, curador do Seminário Comida e Patrimônio.

Pernambuco também tem uma culinária própria, porém, não reconhecida ainda como patrimônio cultural. Num processo de patrimonialização, algumas vertentes devem ser observadas. Na experiência mexicana, por exemplo, o conservatório atuou em duas vertentes: a de orientar pesquisas sobre processos inovadores na gastronomia, associados à economia, cultivos, modos de produção, ciências agrícolas e preparação de alimentos tradicionais, e a de criar um centro de documentação virtual com apoio dos meios de comunicação.

As inscrições são feitas de forma antecipada na central de atendimento do Senac Pernambuco, que fica na Av. Visconde de Suassuna, 500, Santo Amaro, Recife. As inscrições também podem ser feitas no dia, caso ainda existam vagas disponíveis.

Telefones na central: 0800 081 1688 ou (81) 3413.6728 / 6729 / 6730.

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Como a cidade pode e deve apoiar o campo?

Date 17 junho, 2022
Na busca por respostas, um consenso é de que qualquer solução passa pela mudança da forma como consumimos, produzimos e distribuímos alimentos.