Uma vida melhor para as galinhas poedeiras?

As organizações de bem-estar animal na Europa receberam com grande entusiasmo a proibição da criação de poedeiras em gaiolas, esperada há tanto tempo. A medida, em vigor em toda a Europa desde dia 1° de janeiro de 2012, com o apoio de cientistas e público, deixou um gosto amargo na boca, pois o sistema alternativo previsto garante condições apenas marginalmente melhores.

Depois de um período de eliminação progressiva que durou 12 anos, a diretiva sobre as galinhas poedeiras de 1999 proíbe definitivamente as jaulas não modificadas para poedeiras, reconhecidas como o método mais desumano de criação avícola. As gaiolas são tão pequenas que condenam os animais a uma vida breve e dolorosa, sem espaço sequer para possam abrir as asas. A diretiva exige que todas as jaulas sejam substituídas por versões assim ditas “enriquecidas” (ou modificadas), mais amplas e dotadas de áreas limitadas para ninho, poleiro e comedouro. No entanto, se isto pode parecer um excepcional avanço, os grupos que se interessam pelo bem-estar animal mantêm que as novas gaiolas continuam sem garantir condições de vida adequadas.

Ao longo da pesquisa sobre o assunto, The Ecologist descobriu que as gaiolas modificadas oferecem a cada animal um espaço a mais do tamanho de um cartão postal, insuficiente para permitir que abram completamente as asas. “A maior parte dos animais, nas gaiolas modificadas, continuará a passar boa parte do tempo sobre uma rede metálica inclinada, com pouco espaço para se mover”, afirma The Ecologist, “além de continuar a não ter acesso ao ar fresco ou à luz natural”.

Mara Miele, Senior Fellow da Cardiff University e participante do projeto Welfare Quality da UE, afirma que a abolição das jaulas poedeiras nos aviários continuará a ser ignorada em muitos países, sobretudo porque a situação de padrão de bem-estar melhor pode ser vista como um obstáculo ao comércio. “Na China ou na África, estão sendo introduzidas as gaiolas como fator de modernização e redução de custos,” explica Miele. “Será sempre mais difícil promover medidas a favor do bem-estar animal na Europa, dada a concorrência de ovos vendidos a preços inferiores, produzidos em países que ainda usam as jaulas para poedeiras”.

Além do efetivo respeito pela diretiva em toda a Europa, as associações para o bem-estar animal têm uma outra preocupação: uma rotulagem dos ovos indicando serem de galinhas criadas em “gaiolas enriquecidas” induzirá erroneamente o consumidor a adquirir um produto que parece mais ético, mas que na realidade não respeita o bem-estar dos animais.

Por isto, sensibilizar os consumidores e fazer com que tenham acesso a informações corretas será fundamental para sustentar o desenvolvimento, na Europa, de estruturas de criação avícola que garantam condições humanas e sustentáveis. Mês passado, o Slow Food encontrou associações para o bem-estar animal provenientes de todo o mundo para discutir as questões de proteção e bem-estar dos animais 2012-2015, durante a conferência“Empowering consumers and creating market opportunities for animal welfare” e do 1st Global Multi-stakeholder Forum on Animal Welfare, organizada pela FAO.

Para aprofundar a questão do bem-estar dos animais na agricultura europeia, leia o recente artigo de Carlo Pertini, “A felicidade de volta à quinta dos animais”.

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Comida, Comunidade e Regeneração

Date 18 julho, 2022
Regeneração é o tema do Terra Madre – Salone del Gusto 2022, que tem como objetivo ressaltar o protagonismo da agricultura familiar...

Slow Food Indica

Date 16 julho, 2022
Visibilidade e acesso a mercados mais competitivos para alimentos bons, limpos e justos Mais um passo está sendo dado para qualificar a...

Intercâmbio de culturas alimentares

Date 14 julho, 2022
Jovens do povo Tremembé da Barra do Mundaú viajaram do litoral oeste do Ceará até a terra indígena do povo Tabajara do...