Carlo Petrini defende valorização do trabalho no campo como forma de tornar sistema alimentar sustentável

Rio de Janeiro – Consumo justo, valorização da produção local e do trabalho com a terra foram os temas centrais da palestra do ativista italiano Carlo Petrini, fundador e presidente do movimento Slow Food, no dia 26 de junho de 2012, no Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ).

Petrini teceu críticas ao atual sistema agrícola, que, segundo ele, privilegia a produção extensiva e o monocultivo, além da mercantilização da terra e da desvalorização do trabalho do agricultor.

Para o ativista, o sistema alimentar global não é sustentável. E não o é pelos seguintes motivos: a fertilidade dos solos está se exaurindo devido o uso de muitos produtos químicos; o homem está usando mal a água, que já começa a faltar e será a causa dos conflitos vindouros; não se paga bem aos agricultores; a Terra está perdendo a biodiversidade, com a extinção de espécies animais e vegetais.

De acordo com Petrini, nos últimos dois séculos, extinguiu-se algo em torno de 55% das espécies animais e vegetais. Além disso, o ativista apontou como problema o imenso desperdício de alimentos. “[Esse sistema é] uma folia alimentar, uma loucura, um sistema em que se perde cada vez mais alimentos”.

Há, para o italiano, três formas de mudar e sair deste ambiente de crise: reduzir o desperdício, aproveitando melhor a integralidade dos alimentos; retornar à terra, valorizando o agricultor e seu papel, por meio, inclusive, do comércio justo; além de investir em educação e informação.

Petrini enfatizou a necessidade de mudar a mentalidade a respeito do papel do agricultor, mantendo-o no campo e também atraindo os jovens para o trabalho rural. Ele, no entanto, explica que não se trata de ter uma visão antiga, de retrocesso. “Não tenho uma visão romântica do mundo antigo. Lá, se passava fome. Mas é preciso uma nova agricultura, que respeite a comunidade e a terra, usando as boas vantagens da tecnologia. É uma economia de pequena escala, mas inteligente”, observa.

Apesar de considerar que o mundo está em um “momento histórico em que podemos ter uma nova política”, o ativista também criticou eventos como a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.

O movimento Slow Food tem ativistas em diversos pontos do Brasil, atuando em parcerias com o governo federal e comunidades, organizações não governamentais e governos locais. Na página do movimento na internet, há um guia de iniciativas de alimentação que valorizam a culinária local e classificam a alimentação como um processo integrado e holístico.


Texto de Guilherme Jeronymo – Repórter da Agência Brasil

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Comida, Comunidade e Regeneração

Date 18 julho, 2022
Regeneração é o tema do Terra Madre – Salone del Gusto 2022, que tem como objetivo ressaltar o protagonismo da agricultura familiar...

Slow Food Indica

Date 16 julho, 2022
Visibilidade e acesso a mercados mais competitivos para alimentos bons, limpos e justos Mais um passo está sendo dado para qualificar a...

Intercâmbio de culturas alimentares

Date 14 julho, 2022
Jovens do povo Tremembé da Barra do Mundaú viajaram do litoral oeste do Ceará até a terra indígena do povo Tabajara do...