Carta do Mecanismo da Sociedade Civil (MSC) ao presidente do Comitê de Segurança Alimentar (CSA) da Cúpula sobre Sistemas Alimentares

Em carta, organizações da sociedade civil de todo o mundo, denunciam a captura corporativa e a necessidade de superar o modelo corporativista para pensar os sistemas alimentares.

Conteúdo originalmente publicado no site do Mecanismo da Sociedade Civil e Povos Indígenas para as relações com o Comitê de Segurança Alimentar da Nações Unidas

A carta é assinada por mais de 185 organizações. Adicione a assinatura de sua organização.
Confira a carta na íntegra abaixo:

Embaixador Thanawat Tiensin
Presidente do Comitê de Segurança Alimentar Mundial da ONU (CSA)
Roma, 9 de fevereiro de 2021

Prezado Presidente,

Saudações cordiais do Mecanismo da Sociedade Civil e dos Povos Indígenas (MSC) para as relações com o CSA.

Com esta carta, gostaríamos de continuar nosso diálogo com vocês sobre a Cúpula de Sistemas Alimentares. Apreciamos muito que você tenha sido genuinamente aberto e interessado em ouvir nossas crescentes preocupações com relação ao processo de Cúpula desde que você iniciou seu mandato como Presidente da CSA em outubro de 2019. Reconhecemos também que o senhor transmitiu nossas principais preocupações ao Enviado Especial e à Secretaria da Cúpula de Sistemas Alimentares no contexto da troca de cartas entre o CSA e a Cúpula em novembro de 2020.

Não repetiremos nossas preocupações expressas em ocasiões anteriores, tais como através do Chamado Aberto da Sociedade Civil e organizações de Povos Indígen

as para responder à Cúpula, conforme apresentado durante o evento especial do CSA em outubro de 2020, ou a Declaração da MSC para a reunião da Mesa e do Grupo Assessor do CSA em novembro de 2020. Estas críticas permanecem válidas, em particular as preocupações sobre a influência corporativa indevida na preparação da Cúpula; a falta de uma forte base de direitos humanos; a falta de ênfase sobre o verdadeiro escopo da transformação que os sistemas alimentares corporativos devem sofrer para se realinharem com os imperativos maiores e maiores das pessoas, dos povos e do planeta; a ameaça de que as instituições públicas democráticas e o multilateralismo inclusivo serão minados pelo multissetorialismo.

Através desta carta, gostaríamos de responder a uma pergunta que nos foi feita: sob quais condições o MSC poderia participar do processo da Cúpula. Como já dissemos em ocasiões anteriores, o MSC não pode pular em um vagão de banda que está indo na direção errada. Portanto, as condições gerais para nosso possível envolvimento estão ligadas ao fato de os principais órgãos decisórios da Cúpula estarem dispostos a abordar seriamente nossas profundas preocupações através de uma reorientação substancial e radical do curso atual da Cúpula. Portanto, é essencial que sejam feitos progressos críticos nos seguintes domínios:

Afastando-se da captura e reinstalação de empresas como fundações, os direitos humanos, individuais e coletivos, e as experiências e conhecimentos das pessoas e povos mais afetados:

  • O Secretário Geral da ONU teria finalmente que aceitar o pedido de uma reunião com os principais movimentos sociais e povos indígenas sobre o tema da Cúpula, conforme solicitado na carta assinada por mais de 550 organizações em março de 2020;
  • O Secretário Geral da ONU deve expressar sua disposição de reavaliar e se retirar do Acordo de Parceria Estratégica com o Fórum Econômico Mundial e re-prioritar as vozes dos produtores e consumidores de alimentos mais marginalizados e vulneráveis;
  • O Secretário Geral da ONU deve estabelecer fortes salvaguardas contra conflitos de interesse em todos os órgãos e processos da Cúpula para assegurar a centralidade do interesse público sobre o interesse privado. Isso incluiria declarações obrigatórias de conflito de interesse por todos os membros desses órgãos (Grupo Científico, Comitê Consultivo, Grupo de Campeões, Caminhos de Ação) para expor de forma transparente o mapa completo dos conflitos de interesse existentes e permitir ações corretivas apropriadas;
  • Os órgãos decisórios do processo de Cúpula, em particular o Secretário Geral da ONU, o Comitê Consultivo e o Enviado Especial da Cúpula, devem reafirmar que os direitos humanos devem ser o pilar básico e principal dos fundamentos dos sistemas alimentares e, portanto, da Cúpula, assegurando que as análises e recomendações políticas de todos os Caminhos sejam baseadas em abordagens baseadas em direitos e que visem promover e facilitar a plena realização de todos os direitos humanos.

Transformação dos sistemas alimentícios corporativos:

  • A premissa fundamental da Cúpula deveria ser uma que promova uma abordagem holística e sistêmica que reconheça a natureza multidimensional da alimentação (social, econômica, ecológica, cultural e política), que afirme a soberania alimentar (os direitos dos Povos, nações e Estados de definir seus próprios sistemas alimentares) e que recupere os sistemas alimentares como bens comuns que não podem ser deixados a soluções baseadas no mercado: isto não só requer a plena participação e soberania dos povos, mas também coloca o bem-estar dos povos, dos povos e do planeta no centro. Isto impõe regulamentações rigorosas ao sistema alimentar corporativo para enfrentar sua natureza predatória e expansionista e realinhá-lo com imperativos sociais, econômicos, culturais e ecológicos urgentes;
  • Para responder a esta necessidade urgente e reverter a captura corporativa de sistemas alimentares, seria necessário estabelecer uma trilha de ação adicional, como parte do processo formal da Cúpula, para focar na transformação dos sistemas alimentares corporativos. O Mecanismo da Sociedade Civil e dos Povos Indígenas conduziriam seus procedimentos, em colaboração com os órgãos e governos relevantes da ONU, incluindo as implicações transversais entre as outras trilhas de ação;
  • Entende-se que o Mecanismo da Sociedade Civil e o dos Povos Indígenas continuariam a organizar autonomamente seu processo independente para responder além dos limites formais da Cúpula e gerar seus resultados independentes sobre estratégias e caminhos para transformar os sistemas alimentícios corporativos.

Apoiar as instituições públicas democráticas e o multilateralismo inclusivo:

  • O Secretário-Geral da ONU deve se comprometer publicamente com a Cúpula e seus resultados para fortalecer a governança dos sistemas alimentares baseada nos direitos humanos em todos os níveis, o que significa atribuir responsabilidades e obrigações claras aos Estados como detentores de direitos, às pessoas como detentores de direitos, incluindo os Povos Indígenas, e a um papel drasticamente reduzido para o setor privado e corporativo, consistente com seu papel como terceiro sob a lei internacional de direitos humanos.
  • Neste contexto, o Secretário Geral da ONU e os Estados membros também devem sublinhar a importância de um sistema multilateral democrático, incluindo o CSA e as agências baseadas em Roma para a governança alimentar. A Cúpula deve fortalecer, e de forma alguma prejudicar, enfraquecer ou substituir o CSA ou seus componentes, particularmente a independência do Painel de Especialistas de Alto Nível (HLPE) e a autonomia da sociedade civil e da participação dos Povos Indígenas nesta plataforma global intergovernamental e internacional inclusiva de segurança alimentar e nutrição.

Solicitamos respeitosamente que você compartilhe esta carta com o Secretário Geral da ONU, a FAO, os Princípios da FIDA e do PMA, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, o Enviado Especial e o Secretaria da Cúpula dos Sistemas Alimentares, e os membros da Mesa e do Grupo Assessor da CSA. Também solicitamos publicar esta carta no site do CSA, no contexto da troca de cartas do CSA e a Cúpula, para informação pública.

Com nosso profundo apreço,

Comitê Coordenador da Sociedade Civil e do Mecanismo dos Povos Indígenas para as relações com o CSA

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Como a cidade pode e deve apoiar o campo?

Date 17 junho, 2022
Na busca por respostas, um consenso é de que qualquer solução passa pela mudança da forma como consumimos, produzimos e distribuímos alimentos.