Comida, Comunidade e Regeneração

Regeneração é o tema do Terra Madre – Salone del Gusto 2022, que tem como objetivo ressaltar o protagonismo da agricultura familiar camponesa, dos povos e comunidades tradicionais na produção de alimentos visando a segurança alimentar e nutricional e a busca por caminhos mais efetivos para agirmos diante das atuais crises sanitária e climática. 

“Acho que uma nova gastronomia que se desenha, tem sim que se preocupar com o meio-ambiente, ela tem que se preocupar de onde vêm os alimentos, como isso impacta o meio ambiente e para onde vão os resíduos.” Assim, Luizi Viana, gastrônoma, merendeira e proprietária do Moronguetá Amazônico, defende o que acredita ser o futuro da gastronomia. Luizi será uma das representantes do Brasil na 14º edição do Terra Madre – Salone del Gusto, que acontece entre os dias 22 e 26 de setembro de 2022, em Torino.  

A delegação do Brasil conta também com Bel Coelho, chef de cozinha e ativista socioambiental na luta por uma alimentação de qualidade, saudável e acessível para todos. Bel, que integra a rede de cozinheira/os do Slow Food Brasil, concorda que a forma como comemos tem grande impacto no agravamento da crise climática: “A gastronomia pode ter um papel importante nessa pauta justamente por ter grande visibilidade e se tratar de uma rede produtiva muito importante, a rede da produção de alimentos. Qualquer negócio hoje em dia deve ser pautado pela crise climática e relações sociais mais justas.” 

O posicionamento por parte dos profissionais da área, em especial, os chefs é fundamental para fortalecer a pauta de uma gastronomia mais consciente e responsável. Socorro Almeia, chef de cozinha e integrante da rede de cozinheira/os do Slow Food Brasil também é parte da delegação que representa o Brasil na Itália. Ela nos lembra que defender uma causa é um lugar de luta e de muitos desafios: “O chef ou cozinheira/o ativista tem que ter é coragem para defender o território; a preservação de memórias; o resgate do cultivo de alimentos esquecidos por causa da forte inclusão dos industrializados; as lutas político-sociais como a do fortalecimento da agricultura familiar e o combate à insegurança alimentar, especialmente no país que mais mata ativistas no mundo”.  Para Luizi, o ativismo é a regra e como uma ecogastrônoma, ela reforça outro princípio básico da/o cozinheira/o ativista: “Valorizar a cultura dos povos e suas tradições e aproximar o cozinheiro do comensal.”Por fim, Bel Coelho resume que um chef ativista hoje deve: “Divulgar e alertar a sociedade da importância de se criar consciência das cadeias produtivas para que possamos fazer escolhas sócio-ambientalmente corretas e sustentáveis”. 

O Terra Madre – Salone del Gusto volta ao formato presencial em 2022, depois de uma edição atípica em 2020, devido à pandemia da Covid-19.  Nesse ano, a expectativa é reunir ativistas, cozinheiros, gastrônomos, agricultores e produtores, pesquisadores e o público interessado do mundo inteiro para debater e construir coletivamente novas abordagens em relação aos sistemas de produção e consumo de alimentos. A pandemia revelou que as diversas crises que enfrentamos como sociedade tem origem  no sistema alimentar dominante que promove desigualdade social – o que só faz aumentar problemas como a fome – e o desperdício massivo de alimentos gerado pela forma como funciona a cadeia de distribuição e comercialização de alimentos, sobretudo, nas grandes cidades.

Diante de tantos desafios e vivendo ainda um período de muita incerteza, o tema central desta 14ª edição do Terra Madre é a regeneração, como definida pelo físico e cientista ambiental, Fritjof Capra. Em entrevista concedida a Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, Capra define o conceito: “A primeira característica é que ‘a vida se organiza’ através de redes cujas estruturas e processos não se impõem externamente, mas se auto geram. No centro disso está um processo de regeneração contínua que envolve todos os níveis: do molecular ao social, incluindo, é claro, nosso sistema alimentar. (…) regeneração não significa necessariamente retornar a um estado anterior. Pode significar criar algo novo, e esta é uma descoberta importante na teoria da complexidade. Todo sistema vivo tem pontos de instabilidade, dos quais uma nova ordem pode surgir espontaneamente.”

Terra Madre 2022 – Salone del Gusto: mural em construção no Parque Dora, em Torino, local que sedia o evento este ano. Credito Divulgação

A partir do tema central da 14ª edição do Terra Madre – Salone del Gusto é urgente por parte da gastronomia e todos os profissionais envolvidos com a alimentação pensar ações que em larga escala façam diferença e que sejam de fácil execução, como observa Socorro Almeida: “No momento em que estamos com mais de 33 milhões de pessoas em alto grau de insegurança alimentar no Brasil, não dá pra pensar em não aproveitamento total de alimentos e em cardápios que de fato respeitem a sazonalidade, isso é gastronomia contemporânea, é inovação. Fazer um excelente uso dos alimentos, dos ingredientes na sua época correta de colheita e deixando o mínimo possível de lixo, ou se possível, lixo zero, é se preocupar com o planeta, com as mudanças climáticas.” A fala de Socorro atenta para os dados do último relatório da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (Rede PENSSAN) divulgado no início de junho de 2022 que trouxe uma atualização do cenário da fome no país. O relatório Olhe a Fome revela que, no fim de 2020, 19,1 milhões de brasileiros estavam em estado constante de fome e que em junho de 2022, o número subiu para 33,1 milhões. Nesse contexto, Socorro e outros ativistas e pesquisadores têm alertado sobre a urgência de atitudes que possam ser de fato eficazes e não apenas paliativas.

A agenda dos dias de evento em Torino visa discutir desde as escolhas diárias dos indivíduos, passando pelo esforço coletivo das comunidades e sobretudo criando condições para pressionar governos e instituições públicas e privadas a tomarem atitudes concretas. Além das conferências, debates e palestras, a programação conta com três grandes espaços que percorrem os pilares do Chamado para Ação Coletiva – a Biodiversidade, a Educação e o Advocacy/Ativismo. Para além disso, o evento proporcionará experiências como as Oficinas do Gosto e as Oficinas Regenerativas. Já os estandes com comidas tradicionais fruto de um trabalho ancorado nas culturas alimentares compõem o lado celebrativo com a volta do evento presencial. O lado virtual do Terra Madre, que começou em 2020, continuará existindo em conferências e encontros com transmissão simultânea direto de Torino para aqueles que não puderem comparecer presencialmente.   

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Slow Food Indica

Date 16 julho, 2022
Visibilidade e acesso a mercados mais competitivos para alimentos bons, limpos e justos Mais um passo está sendo dado para qualificar a...

Intercâmbio de culturas alimentares

Date 14 julho, 2022
Jovens do povo Tremembé da Barra do Mundaú viajaram do litoral oeste do Ceará até a terra indígena do povo Tabajara do...