Ilustração-William-França.png

Lançamento da Cartilha ‘Ecogastronomia para Jovens Rurais do Semiárido’

O Slow Food parte da premissa que o alimento é o principal fator de definição da identidade humana, pois o que comemos é sempre um produto cultural. Acreditamos que a informação e a educação são essenciais para que a sociedade entenda o potencial de transformação e o impacto gerado a partir de suas escolhas alimentares. Traduzindo em um conceito, o foco do movimento é a ecogastronomia, abrangendo questões agrícolas, culturais, ecológicas, históricas, políticas e socioeconômicas.

Nos últimos anos temos realizado no Brasil, com boa repercussão, atividades de ecogastronomia focado em jovens rurais, visando unir a filosofia Slow Food e enaltecer a sociobiodiversidade local, concretizando ideias que o movimento preza e conhecendo os territórios através do olhar das comunidades. É a gastronomia como ferramenta para sensibilizar jovens sobre a riqueza cultural que detêm, tendo suas próprias identidades valorizadas. Essa metodologia une o conhecimento contemporâneo dos cozinheiros aliados aos saberes tradicionais.

Ilustração-William-França.pngIlustração: William França 

Pelo programa Capacitação para uma Gestão com Base em Resultados e Melhoria Contínua de Inovações em Políticas Públicas para o Combate da Pobreza Rural no Nordeste Brasileiro – Semear Internacional, celebrado entre o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), elaboramos a primeira publicação sobre o tema. Entitulado Ecogastronomia para Jovens rurais do Semiárido, o conteúdo com uma linguagem acessível e recheadas de receitas e belas imagens de dar água na boca visa registrar ações do Slow Food no nordeste, sistematizar as experiências realizadas pelo projeto e oferecer mais uma alternativa de convivência com o semiárido.

No adverso contexto de um modelo produtivo devastador que gera a perda da biodiversidade e das referências da cultura alimentar local e da vida no campo por conta de efeitos como contaminação por agrotóxicos, mudanças climáticas e desmotivação das gerações mais novas pela dificuldade de estabelecer renda, a sensibilização envolvendo os jovens rurais é uma estratégia bastante poderosa.

O material parte do semiárido e contribui para o fortalecimento das diversas esferas da rede Slow Food em todo o país como Aliança de Cozinheiros, Fortalezas, Comunidades do Alimento e Convívios. Também norteia diretrizes e metodologias replicáveis nos mais diversos contextos ao estabelecer diálogos que resultam em ações para se trabalhar nas áreas rurais, fortalecendo as relações entre campo e cidade e trazendo a ecogastronomia como prática para unir, inspirar e trocar experiências.

O lançamento desta cartilha contou com a participação de jovens representantes das comunidades, cozinheiros e a rede Slow Food, ocorrido na 9a Feira Baiana da Agricultura Familiar e Economia Solidária (FEBAFES), no dia 27 de novembro de 2018, na cozinha show do Parque de Exposições de Salvador/Bahia.

 

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Comida, Comunidade e Regeneração

Date 18 julho, 2022
Regeneração é o tema do Terra Madre – Salone del Gusto 2022, que tem como objetivo ressaltar o protagonismo da agricultura familiar...

Slow Food Indica

Date 16 julho, 2022
Visibilidade e acesso a mercados mais competitivos para alimentos bons, limpos e justos Mais um passo está sendo dado para qualificar a...

Intercâmbio de culturas alimentares

Date 14 julho, 2022
Jovens do povo Tremembé da Barra do Mundaú viajaram do litoral oeste do Ceará até a terra indígena do povo Tabajara do...