V Festa da Juçara de Ubatuba

Você já ouviu falar no fruto da juçara? Também conhecido como jiçara ou içara, o pequeno fruto roxo da palmeira Euterpe edulis é típico da Mata Atlântica. Nas últimas décadas, a extração desenfreada do palmito, que causa a morte da planta, levou ao surgimento de projetos de conservação da espécie. Em Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, a Associação dos Bananicultores do Ubatumirim (ABU) conta com 20 agricultores familiares envolvidos com a revalorização da palmeira. Com o intuito de promover o fruto da juçara e fortalecer seu uso responsável, a ABU organiza a 5ª Festa da Juçara, no Bairro Sertão do Ubatumirim, entre os dias 24 e 26 de maio.

Pela manhã, haverá tour de reconhecimento da palmeira, demonstração da coleta e mergulho no Poço do Cedro. Para crianças, oficinas de estamparia com a polpa e de chocalho com as sementes, além de narração de histórias. Cozinheiros da rede Slow Food Brasil, da comunidade e do entorno ministrarão oficinas de culinária. Na banca da ABU, mix de juçara, sucos naturais, bebidas alcoólicas, pastéis e pratos com mandioca e o fruto da juçara. Na música, fandango caiçara, maracatu, reggae e sertanejo.

O palmito juçara está na Arca do Gosto desde 2007 e fez parte do programa Fortalezas Slow Food. Acompanhe as novidades sobre a festa no Instagram @abu.ubatumirim e no Facebook ABU – Associação dos Bananicultores de Ubatumirim.  

OS FRUTOS DA JUÇARA

De cultivo agroecológico, a juçara é comercializada em nível local e, aos poucos, a ABU vem trabalhando com turismo de base comunitária, convidando grupos para conhecer o modo de produção que coopera com a floresta. “Ano passado, recebemos os alunos da escolinha aqui do bairro. Mostramos a coleta, a despolpa, falamos que é uma fonte de renda local e que é um alimento saudável”, disse Tamie Nezu, uma das produtoras da Associação.

Antes considerado comida de passarinho, o fruto da juçara não era consumido na mesma proporção do “primo” no norte do Brasil. Com a popularização do açaí amazônico no país e com incentivo e ajuda do Instituto de Permacultura e Ecovilas da Mata Atlântica (Ipema), a comunidade começou a trabalhar com o fruto da palmeira, a partir do manejo sustentável.

Atualmente, o fruto da juçara é o forte da comunidade, que se empenha no seu cultivo. Segundo a presidente da ABU, a caiçara Ana Rosa dos Santos Barboza, “O que é tirado da natureza, é devolvido para ela. A cada ano que passa, estamos aumentando a produção de palmeira juçara nas nossas terras”. Para Tamie, a união é fundamental no combate à especulação imobiliária, “Mais importante do que o fruto da juçara se consagrar, é a comunidade tradicional não vender suas terras. A melhor forma de incentivar a não-extração do palmito é ter o mercado do fruto girando”.

Hoje, o principal produto da Associação é o mix, que leva o fruto da juçara, banana, cambuci e inhame, também vendido na praia como açaí da Mata Atlântica. Os produtores ainda encontram barreiras para a comercialização, uma vez que o público está acostumado a comer o açaí amazônico com guaraná e vários complementos industrializados. Porém, a textura e a doçura do produto são muito saborosas, atestando seu potencial gastronômico em preparos doces e salgados.

O chef Fábio Eustáquio, do Nós Gastronomia, aproveita a oferta para abusar da versatilidade do fruto. “O incentivo ao uso da juçara na gastronomia é a chave para a conscientização, pois desperta a importância da conservação da espécie. Temos de valorizar os produtos da região”, diz Fábio.

Serviço:
V Festa da Juçara de Ubatuba
dias 24, 25 e 26 de maio
horário: a partir das 12h
local: rua Reinaldo, s/n, (Km 16 da BR)
Sertão do Ubatumirim, Ubatuba

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Comida, Comunidade e Regeneração

Date 18 julho, 2022
Regeneração é o tema do Terra Madre – Salone del Gusto 2022, que tem como objetivo ressaltar o protagonismo da agricultura familiar...

Slow Food Indica

Date 16 julho, 2022
Visibilidade e acesso a mercados mais competitivos para alimentos bons, limpos e justos Mais um passo está sendo dado para qualificar a...

Intercâmbio de culturas alimentares

Date 14 julho, 2022
Jovens do povo Tremembé da Barra do Mundaú viajaram do litoral oeste do Ceará até a terra indígena do povo Tabajara do...